História da Arte

Cubismo

Historicamente o cubismo originou-se na obra de Cézanne, pois para ele a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones, esferas e cilindros. Entretanto, os cubistas foram mais longe do que Cézanne. É como se eles estivessem abertos e apresentassem todos os seus lados no plano frontal em relação ao espectador. A Guerra de 1914 dispersa os criadores do movimento, cada qual seguindo seu destino.

Origem: O cubismo é um movimento artístico que se originou nas artes plásticas no início do século XX com Pablo Picasso e Georges Braque, mas que não se restringiu neste veículo e se difundiu também na literatura e na poesia de John dos Passos e Vladimir Maiakovski.

Ponto de Partida: O quadro de Picasso Les demoiselles d’Avignon (1907) é conhecido como marco inicial do cubismo. A tela representa claramente o estágio inicial do cubismo no qual a influência do primitivismo e de Paul Cézanne eram notáveis.

01 - Les demoiselles d'Avignon. Pablo Picasso, 1907.
Les Demoiselles d’Avignon. Pablo Picasso, 1907.

Características Fundamentais

O cubismo tratava as formas da natureza por meio de figuras geométricas, representando as partes de um objeto no mesmo plano. A representação do mundo passava a não ter nenhum compromisso com a aparência real das coisas.

  1. Representação dos objetos com todas as suas partes num mesmo plano.
  2. Nenhum compromisso de fidelidade com a aparência real das coisas.
  3. O pintor cubista tenta representar os objetos em três dimensões, numa superfície plana, sob formas geométricas, com o predomínio de linhas retas.
  4. Não representa, mas sugere a estrutura dos corpos ou objetos.
  5. Geometrização das formas.
  6. Sensação de volume e tridimensionalidade nos quadros.
  7. Renúncia à perspectiva, presente na arte desde o Renascimento.
  8. O claro-escuro perde sua função, presente na arte desde o Barroco.
  9. Cores fechadas, sóbrias, com muitos tons escuros.
Café. Juan Gris, 1920.
Café. Juan Gris, 1912.

As Fases do Cubismo

Fase Cezannista (1907-1909): Marcada pela influência da obra do pintor francês Paul Cézanne e por alguns traços do primitivismo e do fauvismo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fase Analítica (1909-1912): Caracterizada pela experimentação crescente da desconstrução (ou uma análise separada, se você preferir) da obra de arte em todos os seus elementos internos e externos. Dessa forma o artista procura uma visão total da figura através de suas partes dispostas uma em cima da outra (superpostas). Esse movimento de fragmentação (separação, divisão, desconstrução) foi tão grande, que se tornou qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.

Teorização: Em 1908 forma-se em Montmartre, colina nos arredores de Paris, onde moram Pablo Picasso, Max Jacob, Juan Gris, o grupo do “Bateau-Lavoir”, que além desses, compreende Guillaume Apollinaire, André Salmon, Maurice Raynal, Gertrude Stein , Leo Stein, entre outros. Distingue-se no desenvolvimento do Cubismo a fase cézanniana (1907-1909), uma fase analítica (1910-1912) e uma fase sintética (1913-1914). Contrários ao Impressionismo, eles não pretendiam fixar na tela uma impressão imaginária, um momento passageiro, mas construir um quadro de motivos sólidos e duradouros. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cubismo Sintético (1913-1914): Caracterizada pela reação dos artistas aos excessos cometidos na Fase Analítica. São considerados excessos os trabalhos que ultrapassaram o limite da desconstrução dos objetos e de sua estrutura, tornando a arte completamente abstrata e as figuras irreconhecíveis. Essa fase busca tornar as figuras reconhecíveis novamente. Esta última fase fará surgir o movimento artístico do Orfismo e do uso dos Pontos Áureos na arte.

Muito Importante! – Essa última fase também é conhecida como “colagem” porque os artistas começam a introduzir através da técnica de colagem milhares de outros elementos na tela além da tinta para poder construir novas representações de objetos. Isto é importante, pois esta técnica será precursora de outros movimentos artísticos, como o Construtivismo, por exemplo.

Orfismo: Foi um breve movimento na pintura francesa por volta de 1912. O movimento refletia o desejo dos artistas envolvidos de acrescentar um novo elemento de lirismo e cor aos tons sérios, sóbrios e fechados do cubismo teórico e intelectual de Picasso, Braque e Gris (durante a Fase Analítica). Os pintores arrolados por Apollinaire, que formou o chamado grupo de Puteaux, como praticantes do orfismo eram Robert Delaunay, Fernand Léger, Francis Picabia, Marcel Duchamp e Frank Kupka. Os orfistas faziam da cor o principal meio de expressão artística e embora tenha sido breve efêmero o orfismo exerceu forte influência sobre a pintura alemã.

Este slideshow necessita de JavaScript.


CONTEÚDO COMPLEMENTAR

  • A Tridimensionalidade de Guernica.
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s