História Geral

Revolução Russa – Da Rússia Imperial à Revolução de Outubro em 1917

A Revolução Russa de 1917 foi um período de conflitos, iniciado em 1917, que derrubou a autocracia russa e levou ao poder o Partido Bolchevique, de Vladimir Lênin. Recém-industrializada e sofrendo com a Primeira Guerra Mundial, a Rússia tinha uma grande massa de operários e camponeses trabalhando muito e ganhando pouco. Além disso, o governo absolutista do czar Nicolau II desagradava o povo que queria uma liderança menos opressiva e mais democrática. A soma dos fatores levou a manifestações populares que fizeram o monarca renunciar e, no fim do processo, deram origem à União Soviética, o primeiro país socialista do mundo, que durou até 1991.

A Rússia Imperial – Aspectos Políticos

A Divisão do Império: O Império Russo é dividido em três partes – Rússia Europeia, Rússia da Ásia Central e Sibéria. Até o final da Primeira Guerra anexou a Polônia, a Finlândia e outros povos Austro-húngaros através da doutrina do Pan-Eslavismo. (Se não sabe o que é essa doutrina, consulte essa aula aqui.)

Rússia 1904

Aristocracia Russa: Pequena aristocracia muito rica e 80% da população total, camponesa, na miséria. O Imperador e a maior parte da aristocracia russa ficavam na Rússia Europeia, mais industrializada e urbanizada, enquanto a parte mais oriental e asiática da Rússia ainda era majoritariamente agrária.

Trailer do Filme Anna Karenina, adaptação da obra homônima de Liev Tolstói. Na obra é possível ver a representação da aristocracia russa.

Polarização Política: Desde a metade do século XIX, acentuou-se uma polarização política entre os ocidentalistas – que acreditavam nas formas políticas e sociais do ocidente – e os eslavófilos – que defendiam a singularidade das tradições russas, ligados à Igreja Ortodoxa e ao czarismo. Ou seja, era um embate entre progressistas e conservadores.

Populismo Russo: Houve sucessivas tentativas de implantar uma espécie de populismo na Rússia, através da valorização do campesino (mujique). As tentativas não deram certo e o movimento decaiu ainda no final do século XIX.

Czarismo Opressor: O czarismo era um regime político opressor, que não permitia a existência de partidos, porém vários grupos de oposição se formaram e agiam de forma clandestina.

Partidos Políticos: Em 1883, intelectuais influenciado pelas ideias ocidentais, principalmente do marxismo, fundaram a “Sociedade para Emancipação do Trabalho”. Dessa sociedade, emanou em 1898 o Partido dos Operários Social-Democratas da Rússia (POSDR), o primeiro partido marxista da Rússia. O partido tinha divergências ideológicas internas, e logo se dividiu em duas partes.

– Mencheviques: Do russo, menchinstvo, que significava minoria, apresentavam propostas mais moderadas. Eram a favor de alcançar o poder por meio da aliança com a burguesia e da obtenção da maioria no Parlamento. Acreditavam que, para alcançar o socialismo, a Rússia deveria passar primeiro por uma revolução burguesa, para destruir o czarismo. O líder principal foi Martov.

– Bolcheviques: Do russo, bolchinstvo, que significava maioria, apresentavam propostas mais radicais. Pretendiam alcançar o poder por meio de uma revolução socialista, a ser organizada por um partido conduzindo soldados, operários e camponeses. O nome de destaque do grupo foi Vladimir Ulianov, conhecido como Lênin. Por sua radicalidade política, Lênin será exilado politicamente, acusado de ser inimigo do czarismo.

Aspectos Econômicos e Industrialização

Economia Agrária: A Rússia, por completo, era fundamentalmente agrária. Enquanto a servidão era abolida num processo de transição na Europa durante os séculos XIV~XVIII, os laços servis na Rússia foram reforçados para aumentar a produtividade agrícola.

Distritos Militares Russos.png

Propriedades Feudais: A estrutura agrária era baseada em propriedades individuais pertencentes aos nobres e à Igreja Ortodoxa, explorada através da servidão, bem como propriedades coletivas comunais denominadas MIR.

Abolição da Servidão: A proximidade do Czar e da aristocracia russa com a Europa fez a Rússia tomar o ímpeto de modernizar-se para acompanhar o capitalismo mundial. Em 1861, Alexandre II aboliu a servidão oficialmente para aumentar o avanço capitalista e estimular a industrialização nas regiões mais orientais da Rússia. A abolição da servidão contribuiu para formar uma mão-de-obra proletária disponível para trabalhar nas fábricas, ao mesmo tempo que criou uma burguesia rural emergente continuamente (os Kulaks).

Revolução Industrial: A Rússia também passou por uma “Revolução Industrial” rapidamente, pois se abriu ao capital estrangeiro e às tecnologias ocidentais, num processo de reformas operadas pela aristocracia que visava a modernização industrial através da expropriação de terras. O capital nacional ficava relegado às empresas de médio e pequeno porte, enquanto as empresas de grande porte e afluxo de capital eram controladas pelo capital estrangeiro.

russia 1914

A Rússia Proletária

Surgimento dos Proletários: A industrialização na Rússia passou a criar uma classe de mão-de-obra proletária, fabril, que trabalhava nas fábricas, assim como na Europa. O capitalismo avançou inclusive para o campo com o estabelecimento das relações capitalistas de produção no setor rural através das reformas agrárias.

Soviet: Conselho operário em forma de assembleia formado para romper com os mandos das classes dirigentes. Os conselhos operários eram auto-gestionários, pretendiam regular e organizar a produção material de um determinado local, até mesmo fábrica, sem patrões. Comandaram greves gerais e serviram de veículo para agitação revolucionária. Se espalharam por toda Rússia, mas sumiram com a Revolução de 1905 sufocada, voltando somente em 1917.

Reforma Agrária e Êxodo Rural: Esse êxodo rural direcionou uma parcela da mão-de-obra afetada negativamente pelas reformas agrárias para os maiores centros urbanos da Rússia: Moscou, São Petersburgo, etc. para trabalhar em fábricas e minas. Logo as cidades estavam abarrotadas de pessoas que não tinham condições de vida apropriadas e passavam miséria e fome.

Condições de Trabalho Operário: As condições de trabalho eram similares às fábricas europeias – exploração máxima da força de trabalho dos operários, infraestrutura precária, remuneração insuficiente e outros problemas da exploração capitalista do trabalho industrial. Dessa forma, os trabalhadores aproximavam-se cada vez mais de políticas revolucionárias para libertarem-se da opressão capitalista.

Concentração Urbana: Embora fossem uma parcela pequena da população imperial, os proletários estavam intensamente concentrados nas áreas de maior urbanização, o que facilitará a ação doutrinária e revolucionária dos bolcheviques. Parte da pequena burguesia – parcela sem grandes perspectivas de ascensão social no regime czarista – aproximaram-se muito da política revolucionária com a perspectiva de derrubarem o poder czarista que os oprimia, embora não concordassem inteiramente com os bolcheviques.

As correntes políticas até a Revolução Russa de 1917

Pluralidade Política: As diferentes correntes políticas formadas a partir de 1905 estavam sempre em confrontos diretos por conta de diferenças ideológicas. Estas correntes políticas não entravam em consenso e o conflito entre elas começou a se intensificar até 1917.

a) Bolcheviques (ou Comunistas Revolucionários): Eram formados por intelectuais e simpatizantes do comunismo revolucionário traduzido do pensamento de Karl Marx, que acreditavam numa revolução imediata. Seus principais expoentes eram Lenin, Trotsky e Mayakovsky.

b) Mencheviques (ou Social-Democratas): Eram adeptos do socialismo não-revolucionário. Não negavam uma revolução e igualdade, mas simplesmente não viam como necessidade para a Rússia. Seu principal expoente era Martov.

c) Anarquistas: Acreditavam num processo revolucionário imediato, similar ao comunismo, mas sem embasamento nas ideias marxistas, a crença no partido comunista e no estado proletário. Seu principal expoente foi a luta no campo através de Makhno.

d) Rada Central Ucraniana: Organização nacionalista burguesa contra-revolucionária constituída pela coligação dos partidos e grupos burgueses e pequeno-burgueses nacionalistas ucranianos para consolidar o poder da burguesia e dos latifundiários ucranianos.

e) Kadets: Burguesia liberal russa que apoiava as propostas políticas dos mencheviques.

Contexto Sócio-político da Rússia em 1905

Elementos da Crise: Grave depressão econômica, miséria e fome generalizadas pelo país inteiro por causa da crise econômica, condições de trabalho precárias para os trabalhadores, exploração da mão-de-obra dos trabalhadores pelas classes dominantes.

Movimento no Campo: Camponeses queriam uma economia melhor para acabar com a miséria e a fome no campo, pequenos proprietários queriam mais terras, arrendatários queriam preços mais baixos e trabalhadores, salários mais altos. Motins envolviam ocupação, pilhagem e incêndio.

Movimento nas Cidades: Melhores condições de trabalho, menos exploração da mão-de-obra trabalhadora. Principal instrumento de luta era a greve. A greves se alastraram para os centros industriais da Rússia.

Soviéticos de São Petersburgo: Durante a Greve-Geral tornou-se Soviete de Representantes Operários, que rapidamente se dividiu em alas radicais, dos bolcheviques se não-radicais, dos mencheviques. Estas alas se estenderiam ao Partido Operário Socialdemocrata Russo (POSDR) na Duma.

1905 – Encouraçado Potemkin: Levante dos marinheiros e operários a bordo do couraçado Potemkin contra as más condições de trabalho.

1905 – O Domingo Sangrento: Após o clima de greve-geral na cidade de Putilov, os trabalhadores formaram uma manifestação pacífica ao Palácio de Inverno com uma petição assinada por aproximadamente 135 mil trabalhadores ao Czar por melhores condições de trabalho. A guarda imperial fuzilou todos os manifestantes, com uma estimativa de mil mortos. Marca a formação do primeiro soviet operário.

Revolução Sufocada & O Legado de 1905

Reforma Política: Em meio ao clima de instabilidade política, o Czar procurou medidas políticas para acalmar os ânimos populares. Embora ele tenha tentado as medidas abaixo, o clima de instabilidade piorou com a Primeira Guerra e ele foi derrubado.

Manifesto de Outubro: Permitiu a criação de um Parlamento (A Duma) e a criação de Partidos Políticos, com destaque para o Partido Social-Democrata, bem como a instituição do voto. Com isso, ele esperava o apoio da burguesia liberal russa, mas essa não queria apoiá-lo porque ele era um entrave ao crescimento capitalista russo.

Aumento da Repressão: O Czar deixou de lado grande parte do Manifesto, mas manteve a Duma. Aumentou a repressão aos movimentos com as tropas recém-chegadas da guerra Russo-Japonesa, com a proibição dos soviets. Isso só fez aumentar o clima de insatisfação e repressão popular.

Saída da Primeira Guerra: Desastrosa participação da Rússia na guerra Russo-Japonesa de 1904/1905 pelos territórios da Coréia e Manchúria. A derrota marca “o começo do fim” do regime czarista na Rússia que acumulava exponencialmente insatisfeitos.

Greves: Uma nova onda de greves e manifestações aplacou a Rússia devido à participação na guerra. Os movimentos revolucionários mais uma vez começaram a se propagar por toda a Rússia.

Deserção: Deserções em massa do exército russo no front da guerra e das tropas legalistas que não queriam atacar os manifestantes.

Fevereiro de 1917 – A Queda do Czar

Abdicação do Czar Nicolau II: Paralisado e sem saída política, o Czar abdica em Fevereiro de 1917 por conta da pressão popular.

Governo Provisório: Alexander Kerensky, líder parlamentar Menchevique apoiado pelos kadetes, estabeleceu um governo  republicano liberal provisório, chefiado pelo príncipe Lvov.  Kerensky defendia a permanência na guerra mundial.

Makhno e o Campo: Após a queda do czar, na Ucrânia desenvolve-se uma revolução anarquista no campo. Makhno organiza duas alianças camponesas em Guliai-Pole e Alexandrovska, que se uniram em greve-geral contra a classe proprietária. Não tendo aceitado a oferta de se juntar ao Partido Bolchevique, a figura de Makhno foi marginalizada e criminalizada, tornando-o inimigo da revolução.

O Começo da Revolução Bolchevique

Teses de Abril: Lenin volta do exílio político por ser considerado inimigo do czarismo e publica as Teses de Abril, convocando o proletariado para uma revolução social, iniciada na Rússia com a formação de uma república de sovietes que promoveria a nacionalização dos bancos, da propriedade privada e de retirada da guerra. As propostas tiveram amplo apoio popular.

Golpe de Estado: Insatisfeitos com o governo provisório, as elites aristocráticas e militares favoráveis ao czarismo apoiaram o general Kornilov em um golpe de estado para o retorno da monarquia.

Os Bolcheviques no Poder Aliança Bolchevique: O Governo Provisório se alia aos bolcheviques para sufocar o Golpe de Estado e os Bolcheviques passam a controlar os principais sovietes. Dessa forma, ampliaram significativamente seu poder político. Era a hora da insurreição proletária.

Outubro Vermelho: Sob o lema “todo poder aos sovietes”, começou uma insurreição bolchevique com auxílio dos soviets, ocupando os principais prédios públicos e pontos das cidades, promovendo a deposição do governo provisório e instaurando um governo comunista. As terras foram confiscadas pelo governo bolchevique e entregues aos camponeses. Fábricas foram dadas aos soviets para que estes as administrassem. Determinou-se ainda o livre desenvolvimento dos grupos étnicos que viviam no território russo

Partido Comunista: Lênin assume o poder com Trotsky cuidando dos assuntos externos e Stálin dos internos, fundando o partido comunista, numa democracia camponesa, sustentava pelo proletariado urbano, dinamizada por um governo reformador.

Calmaria Provisória: No poder, Lênin deu início ao governo revolucionário e expediu uma série de medidas que visavam cumprir as Teses de Abril. Vale destacar a abertura de negociações com a Alemanha e o Império Austro-Húngaro para a saída russa da guerra. Pelo Tratado de Brest-Litovsk (1918), a Rússia aceitava as perdas territoriais impostas pelos alemães e austríacos. O grande objetivo russo era garantir a paz para voltar a crescer economicamente.


CONTEÚDO COMPLEMENTAR

  1. A Experiência dos Comitês de Fábrica na Revolução Russa.
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s