História do Brasil

O Governo de João Baptista de Oliveira Figueiredo (1979-1985)

Cuidado, pessoal, lá vem vindo a veraneio
Toda pintada de preto, branco, cinza e vermelho
Com números do lado, dentro dois ou três tarados
Assassinos armados, uniformizados

Veraneio vascaína vem dobrando esquina

Porque pobre quando nasce com instinto assassino
Sabe o que vai ser quando crescer desde menino
Ladrão pra roubar, marginal pra matar
Papai eu quero ser policial quando eu crescer

– Renato Russo

Aspectos Econômicos

Nova Crise Mundial: A economia brasileira procurava se reerguer e voltar a crescer, combatendo a inflação, desde a crise de 1973, quando em 1979 acontece uma nova crise mundial causada pela Revolução Islâmica no Irã e pela Guerra Irã-Iraque que derruba as tentativas de crescimento econômico, o Brasil entrara em recessão.

“A Década Perdida”: O fracasso dos planos recessivos aliados ao crescimento significativo da dívida externa tonaram o Brasil um dos maiores devedores do mundo. Mas diferentemente do que ocorrera no México, o governo rejeitava a ideia de moratória da dívida. Ao sair do poder em 1985, Figueiredo deixou o país numa dívida recessiva insolúvel. Pela intensa crise, os anos 80 ficaram conhecidos como a “década perdida” do ponto de vista econômico.

Aspectos Políticos

ABC Paulista: A oposição vinham ganhando força dia após dia e viu surgir novas e importantes personagens na luta contra a repressão, como o novo movimento sindicalista surgido na região do ABC Paulista, de onde surge a figura de Lula como sindicalista. Os sindicalistas mobilizaram uma greve de aproximadamente 200 mil operários que após o fim da greve conseguiram aumento real nos salários pressionando as elites.

Lei da Anistia: Pressionado, o governo promulgou a lei nº 6.683, considera a Lei da Anistia, ainda hoje de intenso debate sem consenso por conter um caráter amplo, geral e irrestrito. Anistiava todos os exilados políticos que retornaram ao Brasil, como Brizola e Prestes, mas ao mesmo tempo anistiava todos os militares que cometeram qualquer tipo de crime político.

Lei Orgânica dos Partidos: A partir de 1980 foi abolido o bipartidarismo e os partidos políticos voltaram a existir pluralmente. Essa medida foi uma estratégia militar para enfraquecer a oposição, visto que muitas correntes políticas se agrupavam no MDB. O que resultou dessa cisão foram diversos partidos políticos, que foram impedidos de reagruparem-se por lei que impedia coligações partidárias:

  1. – Partido Democrático Social (PSD): A ARENA transformou-se nesse partido, liderado por José Sarney (ex-UDN e fiel aos militares).
  2. – Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB): Perde uma importante parcela de adeptos que fundam outros partidos políticos.
  3. – Partido Popular (PP): Liderado por Tancredo Neves.
  4. – Partido dos Trabalhista Brasileiro (PTB): Renasce sob tutela de políticos clientelistas.
  5. – Partido Democrático Trabalhista (PDT): Liderado pelo ex-exilado Leonel Brizola, identificado com a social-democracia europeia e com amplas bases no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul.
  6. – Partido dos Trabalhadores (PT): Liderado por Lula, surge do novo sindicalismo originado no ABC paulista.

Tiro no Pé: A medida não surtiu efeito, pois já nas eleições para governador, ainda realizadas de forma indireta por conta da Constituição Federal, governadores de oposição ao regime militar como Brizola e Montoro foram eleitos no Rio de Janeiro e São Paulo.

O Movimento ‘Diretas Já!”

Pluripartidarismo: O pluripartidarismo permitiu com que fosse enviado ao Congresso uma emenda constitucional par transformar as eleições presidenciais em 1985 em diretas, mudando a Constituição Federal. A proposta não ficou apenas no Congresso, mas ganhou enorme apoio nas ruas pelo povo, iniciando o movimento Diretas Já!.

Derrota: As Diretas Já! foram derrotadas no Congresso, que era dominado majoritariamente pelo PDS.

Corrupção de Maluf: Nas prévias do partido, Paulo Maluf comprou votos de partidários para derrotar o favorito da cúpula do partido, Mario Andreazza. A traição de Maluf fez com que as principais lideranças do PDS saíssem do partido e fundassem a Frente Liberal, que se tornaria o Partido da Frente Liberal, apoiadora de Tancredo Neves lançado pelo PMDB, com a promessa do vice José Sarney. Fortalecida, a candidatura de Tancredo teve vitória e o regime militar que durou 21 anos teve fim.


CONTEÚDO COMPLEMENTAR

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s