História da América

Colonização Inglesa na América do Norte

Se pensa que esta terra lhe pertence,
Você tem muito ainda o que aprender,
Pois cada planta, pedra ou criatura
Está viva e tem alma: é um ser

Se vê que só gente é seu semelhante
E que os outros não têm o seu valor,
Mas se seguir pegadas de um estranho,
Mil surpresas vai achar ao seu redor…
Já ouviu o lobo uivando para a Lua azul?
Será que já viu um lince sorrir?
É capaz de ouvir as vozes da montanha?
E com as cores do vento colorir?
E com as cores do vento colorir?

– Pocahontas

Contexto Histórico Geral da Colonização

Início “Tardio”: Final do século XVI e início do XVII.

Características Gerais: Caráter espontâneo e geografia não-favorável (Região não-tropical, favorável ao plantio de cana, carente de metais preciosos).

Contexto Geral: Elizabeth I estimulou a marinha inglesa e o comércio marítimo, inclusive com operações corsárias no litoral do Caribe, que saqueavam os galeões espanhóis repletos de metais preciosos a caminho da Europa.

Conflito Bélico Marítimo: Aumentaram-se as tensões entre “Espanha” e “Inglaterra”, culminando em conflito bélico marítimo com a derrota da Invencível Armada espanhola pelos ingleses.

Fatores que Impulsionaram a Colonização:

  1. Derrocada da Espanha, a criação de companhias de comércio numa aliança entre Estado e “classe burguesa”.
  2. Cercamento das propriedades agrícolas em solo inglês que colaborou para o povoamento com grande excedente demográfico, pois a população não encontrava emprego nas cidades urbanas e viam no continente americano a sobrevivência.
  3. Ao mesmo tempo, os crescentes conflitos políticos e religiosos dentro do Estado inglês estimularam a emigração de vários grupos protestantes, como os puritanos e os quakers (grupo calvinista dissidente).

O Processo de Colonização da América do Norte

O Início que Falhou: Primeiras tentativas entre 1584 e 1587 com as três expedições de sir Walter Raleigh, com violenta reação dos povos nativos.

Croatoan: A Colônia de Roanoke foi fundada em 1580, aproximadamente, mas, quando viajantes ingleses voltaram para lá em 1600 atrasados por conflitos com espanhóis, descobriram que misteriosamente todas as pessoas haviam sumido e que a cidade estava deseta, apenas com a palavra “Croatoan” escrita no chão de uma rua principal. Não havia sinais de luta, peregrinação ou sangue espalhados pela cidade, então o sumiço permanece um mistério insolúvel até hoje.

O Início que Venceu: Em 1607 com a fundação da colônia de Virgínia, explorada por uma companhia de comércio que reunia acionistas burgueses e detinha o privilégio do monopólio comercial e da colonização.

Norte ≠ Sul: Na colonização ao norte (Nova Jersey, Nova York, Connecticut, Massachussets, Rhode Island e New Hampshire) concentravam-se colonos vitimados pela perseguição religiosa, foram os primeiros a chegar dentro do navio Mayflower.

  • Fundação de Plymouth, em Massachussets em 1620, núcleo inicial da chamada “Nova Inglaterra”, porque pretendia reproduzir as condições de vida inglesa nas colônias.

Colonização Inglesa ≠ Ibérica: A principal distinção foi o posicionamento da coroa no processo de colonização. A coroa britânica não exerceu uma fiscalização colonial intensiva no século XVII, em boa parte por conta de seu contexto político conturbado. Sem isso, colonos exerceram e desenvolveram inúmeras atividades e liberdades econômicas/religiosas por parte dos colonos.

Projeto Normativo: Haviam leis para a colonização inglesa, mas que eram muito frouxas por conta de seus problemas internos.

Economia Colonial Inglesa

Características Gerais: Os primeiros núcleos de produção em Virgínia se dedicaram à obtenção do tabaco. Posteriormente também o corante de anil, arroz e algodão. Outras colônias também se transformaram em grandes centros de produção agrícola, como Geórgia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Maryland e Delaware.

Colônias do Sul: Regimes econômicos semelhantes ao plantation das colônias iberoamericanas. A partir de interesses mercantis de companhias de comércio inglesas, utilizavam a grande propriedade, exportação, monocultura e trabalho escravo, criando dependência econômica e estagnação social.

Colônias do Norte: São caracterizadas pela pequena/média propriedade, produção para subsistência da comunidade de colonos e produção manufatureira para o mercado interno. Eram pobres inicialmente, mas ao longo prazo a chegada de imigrantes e a consolidação do domínio do trabalho livre acabaram por criar um mercado consumidor local sólido. Tinham laços mais fracos com a coroa inglesa por conta disso. Com alta rotatividade, promoviam dinamismo social sólido.

Comércio Triangular: Com o desenvolvimento naval, foi possível maior articulação entre colônias, obtenção de itens externos e até comércio de longa distância, que atingia as colônias inglesas do Caribe, a África e a Europa.

Organização Política Colonial

Administração Régia / Autônoma: Em diversas regiões a administração era feita pela coroa inglesa, por isso, era régia. Em diversas outras, o governador era eleito pelos próprios colonos. Grande parte das regiões de administração régia localizavam-se ao sul, pois eram mais dependentes da coroa, enquanto as autônomas localizavam-se ao norte.

Federação: Cada Estado funcionava politicamente de forma autônoma uns dos outros, pois ainda não existia o país Estados Unidos, que une os Estados de forma federativa.

Organização Social Colonial

Sociedade com estrutura bem definida e hierarquizada, do cargo mais alto ao mais baixo:

  1. Governadores reais e oficiais do governo.
  2. Grandes fazendeiros e comerciantes ricos.
  3. Os Yeomen (Termo inglês que costuma se referir a um fazendeiro que cultiva sua própria terra e, historicamente, a um proprietário menor de terras na Inglaterra, que detém direitos políticos).
  4. Artesãos livres, mas sem direitos políticos.
  5. Servos de Contrato (que vinham com a força de trabalho para pagar seus custos de viagem)
  6. Escravos Africanos.

Tensões nos Laços Colônia-Metrópole

Afrouxamento dos Laços: Conflitos ingleses do século XVII contribuíram para afrouxar os laços entre metrópole e colônia.

Estabilidade: No século XVIII a Inglaterra e a monarquia liberal inglesa emergem como potência mundial, trazendo estabilidade econômica e política para a metrópole.

Arrumando a Casa: Nesse momento, a metrópole começou a reorganizar-se para redefinir o papel das colônias, intensificando tributações com uma política fiscal atrofiante com o fim de suas liberdades comerciais e políticas. Este posicionamento geraria incômodos e conflitos que se acumulariam culminando na independência das treze colônias.


CONTEÚDO COMPLEMENTAR

Vídeos:

  • Reportagem do programa A Liga sobre “Escravidão” Contemporânea:

  • Colonização Inglesa & Independência dos Estados Unidos:

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s