História da América

A Civilização Maia

Descobertas datam cerca de 2600 a.C. Entretanto, o calendário maia começa em uma data equivalente a 11 de agosto de 3114 a.C. Desde 2010, a teoria mais aceita é a de que os primeiros assentamentos claramente maias foram estabelecidos por volta de 1800 a.C. Esse período, conhecido como o início do período pré-clássico, caracteriza-se pela sedentarização e a introdução de obras com cerâmica.

  • Período Clássico (c. 250-900 d.C.): Foi um dos picos da construção em grande escala e do urbanismo, com a gravação de inscrições em monumentos e um desenvolvimento intelectual e artístico significativo, em particular nas regiões de planície do sul.

Organização Política

Civilização Centrada em Cidades: Composta por várias cidades-Estados independentes entre si, embora houvesse algumas subservientes a outras. Mantendo relativa autonomia política e decisória, as cidades-Estado se interligavam através da rede tecida pelo comércio. A construção citadina baseava-se na integração com a natureza e a adaptação geográfica da cidade ao local de construção.

As unidades políticas “centrais” do sistema Maia clássico localizavam-se nas planícies centrais. As unidades maias periféricas eram encontradas ao longo das margens do altiplano sul e de áreas de várzea do norte.

Mudança no Tempo: Na era pré-clássica era nas terras altas do sul, na era clássica deslocaram-se para terras baixas centrais e, finalmente, no pós-clássico migraram para o norte da península.

Organização Social

A base social dessa exuberante civilização era uma grande rede política e econômica interligada que se estendia por toda a região maia e para além do mundo mesoamericano.

Estamentos: Presença de classes distintas em organizações que variavam de acordo com a cidade-Estado em questão. De forma geral, havia presença de classes nobiliárquicas e menos abastadas. Grandes comerciantes desfrutavam de privilégios.

Autoridade Máxima: O Halach-Uninic. Designava os chefes de cada aldeia, que desempenhavam funções civis, militares e religiosas. A suprema autoridade militar (Nacom) era eleita a cada três anos.

Classe Nobre: Faziam parte da nobreza todos estes citados, incluindo sacerdotes, guerreiros honrados e comerciantes de grande porte.

Classe Sacerdotal Poderosa: Detinha o saber astronômico e climático, fundamental para a economia baseada na agricultura.

Classe Inferior: Artesãos e camponeses dedicavam-se ao trabalho agrícola e construções públicas. Pagavam impostos às autoridades civis e religiosas.

Classe Escrava: Prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum. Trabalho forçado como modo de expiar os crimes.

Organização Econômica

Neste sistema político, as unidades semi-periféricas maias geralmente tomavam a forma de centros comerciais.

Base Econômica: Agricultura de milho principalmente, cacau, algodão, batata e frutas. Ténicas de plantio rudimentares e itinerantes contribuíram a destruição de florestas tropicais nas regiões onde habitavam. A causa é a ténica de plantio baseada nas queimadas, com a produção se mantendo até no máximo três anos consecutivos. Após esse período, era necessário procurar novas terras. Como consequência, declínio considerável do plantio, portanto, da qualidade de vida e do índice demográfico.

Rede de Comércio: A interligação entre as diferentes cidades-Estado maias que partilhavam de uma mesma cultura e línguas semelhantes possibilitou a consolidação de uma extensa rede de comércio que atravessava toda a mesoamérica. A unidade de troca era sementes de cacau e sinetas de cobre. O comércio ainda trocava e movimentava escravos.

Opulência: Trabalhos ornamentais feitos de ouro, prata e jade, conchas do mar e plumas coloridas, sem uso de ferramentas metálicas. Os trabalhos ornamentais refinados normalmente eram dedicados à nobreza e aos sacerdotes.

Formação Cultural

Escrita: Os maias são notáveis por sua língua escrita, pois é o único sistema pré-colombiano que podia representar completamente o idioma falado no mesmo grau de eficiência que o idioma escrito no velho mundo.

Desenvolvimento Pleno: Desenvolveram um amplo legado artístico, arquitetônic, matemático e astronômico. No seu auge, era uma das mais densamente povoadas e culturalmente dinâmicas sociedades do mundo. Avanços como a escrita, epigrafia e o calendário não se originaram com os maias; no entanto, sua civilização os desenvolveu plenamente.

Interação Social: Devido ao alto grau de interação, houve ampla difusão cultural. A civilização maia compartilha muitas características com outras civilizações da Mesoamérica, que a precederam e que a sucederam.

Declínio Parcial & Total

Declíno Parcial das Cidades: Os centros urbanos maias das terras baixas do sul entraram em declínio durante os séculos VIII e IX e foram abandonados pouco tempo depois. As teorias amplamente aceitas vinculam este declínio à dois segmentos fundamentais: Fatores Ecológicos e Fatores não-ecológicos.

Fatores Ecológicos: Desastre ambiental, doenças epidêmicas e mudanças climáticas. Há evidências de que a população maia ultrapassou a capacidade do ambiente à sua volta, com o esgotamento do potencial agrícola do solo e a caça excessiva de megafauna.

Fatores Não-Ecológicos: Superpopulação, invasão estrangeira, revolta camponesa e colapso de rotas comerciais importantes

Reflorescimento Momentâneo: A partir dodo século X ao início do século XVI, os centros nas terras do norte se desenvolveram absorvendo diversidades de influências externas. As cidades desenvolveram-se solidamente e são um marco do florescimento maia, como Iucatã e Chicén Itzá, por exemplo. As cidades se uniram na figura do governante Mayapan até uma revolta em 1450.

Declínio Permanente?: A área então degenerou em cidades-Estado concorrentes que entraram num estado de declínio, situação essa que os espanhóis encontraram e tiraram proveito. Conquistaram facilmente a península e extinguram todas as estruturas políticas nativas.

Sobrevivência Cultural: Embora as estruturas políticas tenham desaparecido e não tenham retornado até hoje, os Maias nunca desapareceram completamente. Fazendo parte do mundo ocidentalizado, sua cultura permanece rica e celebrada ainda hoje.


CONTEÚDO COMPLEMENTAR

  1. “Maias Questionam “Apocalypto”, Filme de Mel Gibson Sobre a sua Civilização.”

Filmes:

  • GIBSON, Mel. Apocalypto, 2006.
  • HERZOG, Werner. Aguirre, A Cólera dos Deuses, 1972.
  • THOMPSON, Jack Lee. Os Reis do Sol, 1963.
  • Documentário Sobre os Maias – Parte 1:
  • Documentário Sobre os Maias – Parte 2:
  • Os Sacrifícios Maias:
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s